quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Aroma de Café

O café ainda faz companhia. A fumaça que exala
proporciona um perfume único e provocante.
Aquece ideias sem nexo e desperta sentidos controversos.
Últimos brilhos do luar acompanham olhares sedentos por respostas.

Existem dúvidas sobre o relógio? Ponteiros vulgares e mentirosos.
Nunca souberam o tempo exato de prisão de um homem.
No enclauso de sua incerteza e salvo em minutos de lucidez.

Quando percebe, em meio a devaneios, o fim de uma procura.
Surgem os primeiros clarões da manhã.

A fumaça vinda da xícara não existe mais.
O café se torna frio.
No momento em que se é devorado
mais um pedaço do dia.

Nenhum comentário: